Dunga e a imprensa

Já faz dois dias que o Dunga saiu xingando árbitro, Drogba e jornalistas, mas a imprensa brasileira não superou o trauma. Compreensível. Afinal é raro ver alguém questionar a mídia tão incisivamente como faz o treinador.

Claro que Dunga passou do ponto. Muito! E o fato de a imprensa já ter passado do ponto com ele outras tantas vezes não pode ser desculpa para desrespeitar alguém, como ele fez com Alex Escobar.

Mas acho que a melhor resposta que a imprensa poderia dar seria o descaso – como bem orientou o mestre Luiz Mendes. Até porque, nas entrevistas coletivas, o Dunga reclama da imprensa, que também reclama dele depois. E o cabo de guerra não termina. Em alguns momentos, chega a ser infantil a postura dos jornalistas – que não perdem uma oportunidade de alfinetar o treinador da seleção brasileira.

Acostumada a ser bem tratada por jogadores e comissões técnicas, a mídia brasileira simplesmente não está sabendo lidar com a “era Dunga“. Se não tem entrevistas exclusivas, coberturas de treinos e horas de lazer dos jogadores, tentem novas abordagens. Pra que ficar repetindo que não tem imagem ou informação sobre a seleção brasileira?

Ninguém aguenta esse lenga-lenga por muito tempo. E a mídia acaba perdendo a cumplicidade da sua audiência porque se comporta como ela. Afinal, opiniões sobre o Dunga, a seleção e tudo mais estão espalhadas pela internet, pelas redes sociais e até pelas ruas.

Caberia à imprensa absorver, repercutir e analisar o que as pessoas estão dizendo – de forma imparcial, como é sua natureza. Essa postura é mais legítima do que usar espaço de conteúdo jornalístico para fazer artigo de opinião. #Ficaadica!

Anúncios