Faltam 1000 dias

E nada mudou! Pouco mais de 2 mil dias atrás, o Brasil era escolhido como sede da Copa do Mundo de 2014. De lá pra cá, a única coisa que mudou foi o discurso do Governo Federal e da CBF em relação aos investimentos públicos nas obras.

O nosso digníssimo Ricardo Teixeira “vendeu” o evento no Brasil como “a Copa da iniciativa privada”. Mas o que se vê, na prática, era o que já se esperava: pouca mobilização de empresas, muita do governo – e cada vez maior. Uma medida já foi aprovada para liberar contratações sem licitações. E isso é só o começo.

Que a Copa de 2014 vai ser realizada, não tenho dúvidas. Mas quanto isso vai nos custar? E, mais: o que receberemos em troca? A pasta do Turismo vive dias turbulentos (e o novo ministro foi indicado pelo Sarney… ). Então daí, acho difícil tirarmos algum benefício.

Pelo contrário, acho que depois da Copa o turista pode até se afastar do Brasil. As imagens a seguir são cenas não muito distantes do dia a dia das grandes cidades brasileiras: caos no trânsito e nos aeroportos. Mobilidade urbana é outro ponto crítico que está em atraso.

Com o prazo cada vez mais curto, minha aposta é que os investimentos se voltem para os estádios, enquanto questões de infraestrutura – que seriam o tão falado “legado da Copa” – serão resolvidas com medidas mambembes e conjunturais. Sem falar nas questões ambientais que estão sendo completamente ignoradas!

Mais uma oportunidade que o Brasil perde de se mostrar para o mundo como um país desenvolvido. Até quando usaremos o adjetivo “em desenvolvimento”?